Home care: entenda como funciona e ingresse nesse mercado

Home care: entenda como funciona e ingresse nesse mercado

Quem deseja ter uma carreira estável e promissora, um bom retorno financeiro e diversas oportunidades profissionais e, ao mesmo tempo, assistir e contribuir para o bem-estar e a saúde do próximo, certamente, já ouviu falar do home care — uma das modalidades da área da saúde que não para de crescer e movimentar o mercado. 

No entanto, é comum surgirem dúvidas sobre esse ramo, quem pode atuar nele, quanto cobrar pelo serviço e a faixa de ganhos de quem se dedica a ele. Por essa razão, preparamos um post especial sobre o assunto. Acompanhe!

Afinal, o que é o home care?

Home care é o atendimento domiciliar prestado por um profissional da área da saúde a um paciente que precisa de acompanhamento e auxílio durante um tratamento ou um processo de recuperação neurofisiológica, sejam ele temporário ou contínuo.

A rotina de cuidados pode ser paliativa ou intensiva, a depender do quadro da pessoa e, em alguns casos, demanda não só a presença de uma equipe especializada, como também de equipamentos, aparelhos e instrumentos médicos na residência.

Por que essa modalidade é tão importante?

O home care tem se tornado tão importante e conquistado cada vez mais espaço no mercado porque promove um serviço personalizado e humanizado que é voltado para atender, com exclusividade, as necessidades de cada indivíduo.

Assim, essa é uma excelente opção quando a internação hospitalar é facultativa e a pessoa pode receber a assistência que precisa sem sair de casa, o que tornará sua rotina mais prática e sua recuperação muito mais confortável.

Mas não acaba aí, no home care, a família pode participar ativamente de cada etapa da reabilitação, prestando suporte emocional e gerando um maior acolhimento, aspectos que são essenciais para a melhor qualidade de vida e cooperam para o bem-estar do paciente e sua reintegração social eficaz.

Para complementar as razões do sucesso dessa modalidade, está o fato de que a adesão a ela acaba levando à redução de gastos com o serviço de acompanhamento e, em especial, com o transporte adaptado para pessoas que apresentam limitações motoras, por exemplo.

Qual a diferença entre o home care e os enfermeiros particulares? 

Para estarem aptos a trabalhar, os enfermeiros particulares devem ter concluído uma graduação em Enfermagem com reconhecimento do MEC, ou seja, devem estudar por cinco anos, cumprindo uma carga horária integral intensa. Suas funções dentro do cuidado com o paciente podem ser:

  • administração de medicamentos;
  • monitoramento das funções vitais;
  • confecção de curativos;
  • cuidados de higiene básica;
  • administração da alimentação, que pode ser oral, enteral ou parenteral;
  • comunicação com a equipe médica;
  • companhia e atenção ao paciente. 

Já o Home Care é um serviço mais amplo, que abrange uma gama maior de profissões, como técnicos de enfermagem, médicos, fisioterapeutas etc. Em vez de um profissional ficar encarregado de tudo, ele se integrará a uma equipe responsável por melhorar a qualidade de vida do paciente nas mais diversas áreas possíveis. 

Assim, cada profissional é responsável pela área de sua competência. O técnico de enfermagem fica com o cuidado direto com o paciente e a realização de curativos e procedimentos mais simples. A enfermagem fica com a supervisão do técnico e com os procedimentos mais complexos. Já o médico realiza a prescrição e acessos centrais, ao passo que a fisioterapia cuida da reabilitação física e o nutricionista da dieta. 

Além disso, mais do que um serviço, o home care é uma filosofia na qual o objetivo maior é trazer bem-estar ao adoecido, estando ele em recuperação ou em fase terminal. 

Como atuar com atendimento domiciliar?

Para atuar nessa área é preciso, antes de qualquer coisa, ser um profissional da saúde, como um técnico em enfermagem, um médico, um enfermeiro, um nutricionista, um fisioterapeuta, um terapeuta ocupacional ou um fonoaudiólogo.

Para tanto, você pode fazer um curso técnico ou superior para ter os conhecimentos necessários para lidar com a rotina de tratamento dos pacientes e atender às necessidades deles, realizar procedimentos médicos, manipular aparelhos e equipamentos hospitalares, compreender noções de anatomia e fisiologia etc.

Fora isso, também é uma boa investir em qualificações como instrumentação cirúrgicaprimeiros socorroshemodiálisecuidador de idosos etc., no caso de uma formação técnica, e especializações como enfermagem em home care, nutrição clínica, gestão de desospitalização, atenção domiciliar etc., no caso de uma formação acadêmica.

Qual o perfil dos clientes?

Quando se escuta sobre o perfil dos clientes que recorrem ao home care, é comum logo pensar em idosos que têm alguma limitação motora, seja ela parcial ou total. Isso porque o tratamento que realizam se torna mais prático e simplificado por meio desse tipo de serviço. Contudo, não são apenas eles que podem vir a ser os seus pacientes.

Pessoas de qualquer idade e gênero que apresentam doenças crônicas, autoimunes e deficiências físicas/mentais, por exemplo, também podem integrar a lista de clientes frequentes. Isso sem falar, é claro, naqueles indivíduos que estão em período pós-operatório ou sofreram algum tipo de acidente e que também necessitam de assistência.

Quanto se ganha com o home care?

Os ganhos de um profissional podem variar bastante ao trabalhar com o home care. Afinal de contas, há uma série de fatores envolvidos nesse cálculo, como a área de atuação dele (técnico em enfermagem, clínico geral, fisioterapeuta etc.), o nível de especialização, se ele atende em regime de exclusividade ou conta com uma cartela de clientes, o período de trabalho e por aí vai. 

Por isso, é importante considerar a média salarial de cada profissão do ramo da saúde que presta atendimento domiciliar. Dessa forma, é possível ter uma ideia de quanto pode ser a sua renda mensal ao se dedicar a essa modalidade.

Por exemplo, os técnicos em enfermagem ganham cerca de R$ 1.645,60 para uma jornada de 38 horas semanais de acordo com um levantamento do portal Salário, que contou com uma amostragem de 143.355 salários. No entanto, em alguns estados esse valor chega a ser maior, como é o caso de São Paulo (R$ 2.047,61), de Santa Catarina (R$ 1.955,90) e do Rio Grande do Sul (R$ 1.814,60).

Como formular o custo do atendimento domiciliar?

Por fim, não podemos deixar de abordar como formular o custo do serviço de atendimento domiciliar — que é um grande questionamento para quem vai ingressar no ramo e carece de referência. Se esse é o seu caso, vale a pena determinar o preço da sua hora baseando-se nos seguintes aspectos:

  • as despesas com locomoção até a casa do paciente;
  • as despesas com alimentação durante o dia laboral;
  • o pagamento de impostos, INSS e demais tributos, caso trabalhe como profissional liberal ou autônomo;
  • a comissão de empresa ou companhia especializada em atendimento domiciliar, caso trabalhe de forma agenciada por terceiros;
  • os períodos em que você vai atuar — isto é, se será apenas no matutino e no vespertino ou se incluirá também o noturno;
  • a quantidade de horas que você trabalhará por dia útil (quatro, seis ou oito, por exemplo).

Quais as principais vantagens do home care para o profissional?

Maior grau de autonomia

Quando está atuando como técnico de enfermagem ou enfermeiro particular, geralmente a família do paciente exige bastante e reduz a autonomia do profissional. No home care, como você estará inserido em uma equipe multidisciplinar, geralmente há mais confiança e, portanto, mais liberdade para sua atuação.

Flexibilidade de escala

A área da saúde — principalmente aquela ligada aos cuidados integrais — funciona em uma escala de 24 horas por dia, 7 dias por semana. Desse forma, quando você opta pelo home care, você poderá escolher seu horário da forma mais confortável para a sua rotina. São diversos os regimentos de trabalho:

  • plantões diurnos ou noturnos de 12 horas, com folga de 36 horas;
  • plantões integrais nos finais de semana, em que você dorme na casa do paciente de 18h00-20h00 da sexta-feira até 6h00-8h00 da segunda;
  • regime de trabalho tradicional de 8 horas nos dias úteis e 4 horas aos sábado;
  • trabalhos autônomos esporádicos (freelancers) em que você será contratado para dias específicos de trabalho, sem obrigatoriedade de cumprir uma carga horária etc. 

Maior liberdade de escolha

Como a demanda por home care aumenta cada vez mais e há poucos profissionais no mercado, você perceberá que há uma disputa por você. Desse modo, você poderá escolher aqueles trabalhos que se encaixam mais no seu perfil e não terá tanto medo de ficar desempregado. 

Maior satisfação profissional

Por fim, a satisfação profissional geralmente é muito grande. Afinal, você verá a qualidade de vida dos seus pacientes melhorar dia a dia. Trazer felicidade e dignidade às pessoas é uma atividade muito satisfatória e cativante.​

Nosso post tirou suas dúvidas sobre o home care? Como funciona esse mercado? Quais são os clientes que recorrem a esse serviço? Qual a média salarial de quem atua no ramo? E o quão rico ele é em possibilidades para quem deseja seguir carreira na área da saúde? Pois então, não perca mais tempo e comece já a investir na sua formação para ter uma trajetória profissional de sucesso!

Quer conhecer mais profissões que estão em alta na área de saúde atualmente? Então, não deixe de ler o nosso artigo sobre os cuidadores com idosos

Comentários

Posts Relacionados