Mercado de trabalho para enfermagem: quais as perspectivas na região sul?

Mercado de trabalho para enfermagem: quais as perspectivas na região sul?

O mercado de trabalho para enfermagem está em expansão devido às diversas oportunidades oferecidas e às mais variadas áreas de atuação, sendo composto por técnicos em enfermagem, auxiliares e enfermeiros.

A região Sul é uma das que apresentam um dos menores índices de desemprego no Brasil, mas é preciso ter atenção e sempre acompanhar as tendências e situação atual do mercado na área da saúde.

Elaboramos este texto para que você entenda o que pode ser esperado da região Sul em relação ao mercado de trabalho para enfermagem. Acompanhe!

Perfil dos profissionais

O perfil procurado no profissional da saúde é bem específico, principalmente pelo fato de trabalhar diretamente com pacientes que estão passando por algum problema de saúde e que precisam de cuidados especiais. Entre os atributos mais solicitados estão:

  • empatia;
  • equilíbrio emocional;
  • disposição para trabalhar em ambientes estressantes;
  • facilidade de comunicação e relacionamento interpessoal.

Áreas de atuação

Com base em pesquisas realizadas no ano de 2015, foram encontrados os seguintes dados:

No Rio Grande do Sul, em torno de 36% da equipe de enfermagem trabalha no setor público, 42% aproximadamente no privado, 25,9% no filantrópico e 8,2% nas atividades de ensino. Já em Santa Catarinaesse número se modifica, sendo 48,3% no setor público, 40% aproximadamente no privado, 27,3% no filantrópico e 7,9% nas atividades de ensino.

Renda mensal

Avaliando a renda mensal englobando os empregos e atividades exercidas pela enfermagem, foi obtido o seguinte resultado:

No Rio Grande do Sul, menos de 2% dos profissionais recebem valor menor que um salário mínimo por mês, 14% declaram ter renda total mensal de até R$1.000,00, sendo que a maioria desses profissionais tem somente um trabalho. Em Santa Catarina em torno de 8% recebe menos que R$1.000,00 e entre os profissionais entrevistados, a maioria também só tem uma atividade.

Gênero predominante

Nessa região a equipe de enfermagem é maioritariamente feminina, sendo constituída por mais de 84% de mulheres. Contudo, a presença dos homens tem aumentado, somando-se em torno de 15%. Esse acréscimo do contingente masculino na profissão vem se firmando com o decorrer do tempo.

Qualificação dos profissionais

O profissional da enfermagem no Sul busca por qualificação, considerando que os trabalhadores de nível médio (técnicos ou auxiliares) apresentam escolaridade acima da exigida para o desenvolvimento das suas funções, significando que acima de 29% do grupo (média de 1/3) fez ou está fazendo curso de graduação.

Taxa de desemprego

A taxa de desemprego em 2015 encontrava-se em torno de 12,3% e a dificuldade de encontrar emprego foi mencionada por 46,2% dos profissionais. Contudo, com o passar do tempo foi possível perceber mudanças quanto a essas informações, tendo em vista que em 2016 a região Sul foi considerada a segunda com o maior número de vagas anunciadas online na área.

Os Conselhos Regionais de Enfermagem dos três estados que compõem o Sul vêm discutindo ativamentesobre o dimensionamento do quadro profissional que deve acontecer até o final de 2018. Pesquisas estão sendo desenvolvidas quanto ao desempenho do departamento de fiscalização, com a finalidade de melhorar os processos de trabalho.

O mercado de trabalho para enfermagem tem apresentado problemas como em qualquer segmento impactado pela crise econômica no país. As informações apresentadas têm o objetivo de proporcionar a você maior conhecimento, entretanto, pontos importantes como a amplitude das áreas para o exercício da atividade e o interesse dos órgãos responsáveis em promover ações que visam o crescimento da enfermagem devem ser considerados.

Gostou deste texto? Então, deixe seu comentário aqui e compartilhe com a gente sua experiência e opinião sobre o assunto!

Comentários

Posts Relacionados