Por que fazer um curso de primeiros socorros? Entenda a importância

Por que fazer um curso de primeiros socorros? Entenda a importância

O Brasil é um país com elevado número de acidentes de trânsito. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, em um período de 10 anos, morreram, em média, 23 pessoas por dia, vítimas de traumas em acidentes, sendo que mais de 1 milhão ficaram feridas no total.

Embora nos atenhamos às estatísticas de trânsito, situações muito mais simples podem ocasionar danos irreversíveis na jornada de vida de uma pessoa. Já imaginou o que você faria caso se deparasse com alguém em asfixia ou em intoxicação?

Pensando nisso, vamos abordar os principais aspectos básicos da capacitação em primeiros socorros, cujo ensinamento é fundamental não apenas para profissionais da saúde, mas para toda a população, principalmente em leigos no assunto. Continue a leitura!

Qual a importância do curso de primeiros socorros?

Entender a importância dos primeiros socorros é muito simples: é possível salvar a vida de um ser humano por meio de práticas corretas. Pensando pelo lado social, é incomparável e incalculável o valor de uma vida.

Pequenas situações cotidianas podem resultar em acidentes potencialmente fatais. Desde uma intoxicação, uma queimadura, um corte ou até mesmo um simples engasgo representam grande risco caso a assistência prestada logo após o ocorrido seja insuficiente ou ineficaz.

Infelizmente, em setembro de 2017, na cidade de Campinas, um garoto de apenas 10 anos foi a óbito por asfixia mecânica, em decorrência de um engasgo com o lanche. Na ocasião, ele estava em uma excursão escolar, na qual não havia nenhuma pessoa capacitada em prestar assistência diante do acidente.

A Lei Lucas

Já em outubro de 2018, foi aprovada a chamada Lei Lucas, a qual torna obrigatória a capacitação em primeiros socorros para profissionais de escolas, sejam públicas ou privadas. Além disso, a certificação dos colaboradores deve ser exposta, estando o estabelecimento sujeito à multa, caso não a atenda.

Embora a lei em questão seja obrigatória apenas para locais de ensino, reforçamos que é crime não prestar socorros a alguém que não esteja em condições de recorrer a si próprio.

Por consequência, independentemente de onde estiver, caso alguém tenha se acidentado de alguma forma ou esteja sofrendo de condições biológicas que não consiga socorrer a si mesmo, é necessário realizar condutas que ofereçam condições de vida até chegar o socorro adequado que proporcione melhores recursos.

Vale ressaltar, ainda, que nem sempre os primeiros socorros são realizados para devolver a vida em sua plenitude. Em diversos momentos, eles apenas reduzem as sequelas, mas sempre prezando pela manutenção das condições mínimas de vida.

O que é abordado no curso de primeiros socorros?

Acima, apresentamos alguns exemplos de situações que requerem conhecimento de primeiros socorros para que a vítima seja bem-assistida nos primeiros minutos após o incidente. Mas, afinal, quais conteúdos oferecem capacitação a quem presta socorro? Veja!

Segurança do paciente

Em um cenário de acidente, por exemplo, é fundamental a quem presta socorro garantir a própria segurança, lembrando-se, ainda, de assegurar a do paciente também. Isso viabiliza que as condutas sejam realizadas sem o risco de maiores danos provocados por causas externas.

Identificação de riscos

Além de garantir a segurança de todas as partes envolvidas na situação, é preciso analisar a vítima como um todo. Assim, as demais eventualidades que poderiam representar fator de piora podem ser evitadas, como manter vias aéreas livres de possível broncoaspiração.

Embora tenha sido citado um exemplo específico, até mesmo as pessoas posicionadas ao redor podem representar potenciais riscos. A partir do momento que um leigo na área tenta prestar algum tipo de socorro, ele pode causar danos irreversíveis à vitima.

Reanimação cardiorrespiratória (RCP)

Abordando agora casos específicos de primeiros socorros, é preciso mencionar uma prática simples, porém muito eficaz na manutenção da vida: a reanimação cardiorrespiratória. Antes de realizar as manobras propriamente ditas, é preciso identificar a parada cardíaca. Portanto, é ensinado no curso avaliação básica das vias aéreas, respiração e circulação, a necessidade da reanimação e como executá-la corretamente.

Engasgamento

Uma das situações mencionadas acima e relacionada com a Lei Lucas é o engasgo. Detectar um engasgo é simples, mas salvar a pessoa dele requer treinamento. As manobras de salvamento são denominadas "manobras de Heimlich", sendo específicas para cada faixa etária. No curso, são ensinadas as técnicas corretas de posicionamento e movimentação necessária.

Sangramentos e hemorragias

Quem nunca cortou o dedo ou sofreu com sangramento nasal? São situações cotidianas e permeadas por práticas equivocadas nos primeiros socorros. Em situações de sangramentos nasais, por exemplo, seria realmente necessário inclinação da cabeça para trás?

Já adiantamos que essa prática não é recomendada. Por meio do curso, é possível aprender as condutas corretas. E se o sangramento não for nasal? Nesse caso, é fundamental para quem presta socorro saber como estancar a hemorragia e fazer o curativo inicial.

Onde é possível realizar este curso?

Agora que você já sabe os principais aspectos abordados em um curso de primeiros socorros, é preciso saber a qual instituição recorrer a fim de se capacitar na área.

A Escola da Paz oferece qualificação neste quesito, abrangendo procedimentos e técnicas de nível básico para prestar assistência a uma vítima enquanto ela aguarda pela chegada do socorro especializado.

O curso é oferecido com a carga horária de 8h e não há pré-requisito para realização da matrícula. Ou seja, qualquer pessoa interessada, leiga ou profissional da saúde, pode se qualificar na área em questão.

Confira os conteúdos abordados nas aulas:

  • Sistema de Emergências Médicas (SEM);
  • aspectos legais e éticos nos atendimentos de emergência;
  • atendimento de emergências — intervenção de leigos,
  • precauções universais;
  • avaliação básica — vias aéreas, respiração e circulação;
  • avaliação inicial, avaliação da vítima, exame físico e histórico de saúde — SAMPLE, prática;
  • estado de choque e hemorragias;
  • ferimentos abertos e fechados, amputação;
  • envenenamentos e intoxicações por substâncias exógenas;
  • queimaduras químicas, elétricas e térmicas;
  • ferimentos músculo esqueléticos — fraturas, luxações, entorses;
  • emergências clínicas — parada cardíaca, crises convulsivas, AVC, desmaio, etc;
  • emergências obstétricas;
  • acidentes com animais peçonhentos;
  • combate a princípio de incêndio;
  • aulas práticas de RCP e imobilização.

​Uma vez apresentada a grade curricular, é possível chegar à conclusão de que o curso é bem-completo, abordando as principais situações que requerem primeiros socorros. Saber colocá-las em prática é essencial para oferecer à vítima maiores chances de continuar a viver, mantendo-a estável até a chegada de socorro e cumprindo não apenas com aspectos legais, mas também de humanização.

O que você está esperando para começar a sua capacitação? Saiba agora mesmo a data de início da próxima turma e matricule-se já!

Comentários

Posts Relacionados